21.03.10

“DISSEMIA” - Dificuldade em Reconhecer Sinais e Sinalizações não Verbais

 

Shirlei Schmulian
Fonoaudióloga

A comunicação humana é uma área de investigação e de estudos muito complexa, é tanto um fenômeno quanto uma função social e profissional. Ela é processada através de dois níveis: o verbal e o não verbal. A comunicação não-verbal é a forma não discursiva que pode ser transmitida através de três suportes: o corpo, os objetos associados ao corpo e os produtos da habilidade humana. Investigações científicas têm evidenciado que a importância das palavras, em uma interação entre pessoas é apenas indireta. Resultados de diversos estudos demonstram que as relações interpessoais são mais influenciadas por canais de comunicação não-verbais do que verbais. Isto é indicativo que o discurso não-verbal assume relevância nos processos de comunicação humana1.

A comunicação não-verbal é um processo importante, uma vez que nos comunicamos não apenas com as palavras, mas com todo o nosso corpo, e isso inclui: Gestos, posturas e movimentos do corpo; Face e movimentos dos olhos; Paralinguagem (tom de voz, pausas, velocidade da fala, etc.); Vestuário; Território (distância que mantemos das pessoas); Sinais não-verbais de dissimulação; Comunicação não-verbal com estrangeiro. Cada um dos itens acima transmite mensagens sobre o que estamos comunicando, bem como sobre a comunicação da outra parte2.

Em 1970 Ray Birdwhistel, professor da Universidade de Pennsylvania, concluiu que a relevância das palavras numa interação entre pessoas é apenas indireta. Pois grande parte da comunicação processa-se em nível inconsciente. Para ele, apenas 35% do significado social de uma conversa corresponde às palavras pronunciadas, os outros 65% seriam correspondentes aos canais de comunicação não verbal3. Logo, o indivíduo que não sabe decodificar mensagens não-verbais, perde 65% do que é comunicado, e também grande parte da comunicação.

Em outro estudo, Albert Mehrabian , professor da Universidade da Califórnia , em Los Angeles, concluiu que a comunicação verbal (palavras) é responsável apenas por 7% da eficácia da comunicação, a comunicação para-verbal (tonalidade, intensidade e outras características da voz ) por 38% e a comunicação não-verbal (gestos e expressões) pelos 55% restantes3.

Alguns psicólogos afirmam que os sinais não-verbais têm as funções específicas de regular e encadear as interações sociais e de expressar emoções e atitudes interpessoais4.

O objetivo deste estudo é conhecer sobre a Dissemia, e suas repercussões na vida das crianças portadoras. Para isto, foram consultados livros concernentes ao assunto, bancos de dados e internet. Resultados: Em relação à dissemia, os resultados foram pouco eficazes, pois houve escassez de material sobre o assunto pesquisado.


Download

artigo na íntegra

Dissemia.doc